quinta-feira, 28 de julho de 2016

Físicos chocam o mundo ao afirmarem que: “nossos pensamentos afetam o mundo físico” - Por Resiliência Humana



Década após década, vários cientistas têm considerado os fatores associados à consciência (percepção, sentimentos, emoções, atenção mental, intenção etc.) como parte fundamental da ciência – que não se pode compreender plenamente ciência, física, especialmente quantum, sem incluir o estudo da consciência.
“Eu considero a consciência como fundamental. Eu considero a matéria como um produto derivado de consciência. Não podemos ficar atrás da consciência. Tudo o que falamos, tudo o que nós consideramos como existente, postula a consciência.”
-Max Planck, físico teórico que originou a teoria quântica, que lhe rendeu o Prêmio Nobel de Física em 1918.
Além disso, décadas de pesquisa e experimentos dentro do reino da parapsicologia têm mostrado resultados bizarros, inexplicáveis, mas repetidamente observáveis ​​indicando a grande importância da consciência que nós não costumamos considerar, especialmente quando se trata de ciência.
É algo que é comumente esquecido, mas talvez nós devemos prestar mais atenção a isso. Como pensamos, o que nós pensamos, como nós percebemos, e no que acreditamos parece ter um grande impacto sobre o tipo de existência que criamos para nós mesmos como uma raça, que influencia o tipo de experiência humana que promulga. Isso torna ainda mais importante para nós que nos perguntar, tanto a nível individual e colectivo : quem somos nós? Por que nós pensamos o que pensamos? Por que fazemos o que fazemos?
“Não foi possível formular as leis da mecânica quântica de uma forma plenamente coerente sem referência a consciência.” Eugene Wigner, físico teórico e matemático. Ele recebeu uma parte do Prêmio Nobel de Física em 1963. Uma questão que tem confundido os cientistas quando se trata de matéria é : pode a consciência (intenção humana direta) alterar diretamente o mundo físico que vemos ao nosso redor? Pode a mente, literalmente, influenciar? Qual é a relação entre mente e matéria e o que isso significa sobre a verdadeira natureza da nossa realidade? Onde é que esta questão vem?
É um conceito que os cientistas e filósofos ao longo da história têm pensado. “O conceito de que a mente é primária sobre a matéria está profundamente enraizada em filosofias orientais e crenças antigas sobre magia.” – (1) Dr. Dean Radin deixou uma grande citação “A conclusão fundamental da nova física também reconhece que o observador cria a realidade”. Como observadores, estamos pessoalmente envolvido com a criação da nossa própria realidade. Os físicos estão sendo forçados a admitir que o universo é uma construção “mental”.
O físico pioneiro Sir James Jeans escreveu: “O fluxo de conhecimento está caminhando em direção a uma realidade não-mecânica; o universo começa a se parecer mais com um grande pensamento do que como uma grande máquina. A mente já não parece ser um intruso acidental no reino da matéria, devemos saudá-la, em vez como o criador e governador do reino da matéria. Supere isso e aceitar a conclusão é indiscutível. ”O universo é imaterial-mental e espiritual ‘”- RC Henry, Professor de Física e Astronomia da Universidade Johns Hopkins,” O Universo Mental. “; Nature 436: 29,2005)
A citação acima está se referindo ao fato de que, na física, a verdade “inevitável” que o ato de observação muda a natureza de um sistema físico e pode significar que a consciência (ou fatores associados à consciência) pode ter um efeito ou realizar alguma grande importância quando se trata do que chamamos ‘mundo físico’. Uma revelação potencial desta experiência é, mais uma vez, que “o observador cria a realidade.” Um artigo publicado na revista científica Física Ensaios de Dean Radin, PhD, explica como este (o experimento de fenda dupla) tem sido utilizado várias vezes para explorar o papel da consciência para moldar a natureza da realidade física. O estudo constatou que os fatores associados com a consciência “significativamente” foram correlacionadas de um modo previstas com perturbações no padrão de interferência dupla fenda. Não há literalmente uma riqueza de análise científica e experimentação para que se deslocar através se interessado neste tópico. A verdade é, há mais de 60 anos de experiências e pesquisas disponíveis quando se trata de cientistas que examinaram a conexão mente-matéria.
É 2015, e a ciência agora mais do que nunca está começando a aceitar esses tipos de conceitos e explorá-las de forma mais aberta. Ao longo da história, os nossos sistemas de crenças têm nos impedido de explorar conceitos de nossa realidade que contrastavam os sistemas de crenças aceitas na época.Galileu é um grande exemplo, seu trabalho foi banido e proibido e há mais de 200 anos; ele foi condenado e colocado sob prisão domiciliar por mais de 200 anos.
Estas experiências têm produzido evidências convincentes e consistentes que a intenção mental está associada com o comportamento desses sistemas físicos.” (1) – Dean Radin Estas experiências, geralmente rotuladas sob o domínio de estudos parapsicologia (ISP), cientistas mostraram que o fenômeno que eles têm sido capazes de observar repetidamente em um ambiente de laboratório, mas ainda estão longe da compreensão humana. Há algo acontecendo, independentemente de saber se podemos explicá-lo ou não.
A evidência é tão clara que “os céticos informados estão reconhecendo que algo interessante está acontecendo.” – Dr. Dean Radin (1) Se você gostaria de continuar a sua pesquisa, para começar, recomendamos que você visite o Instituto de Ciências Noéticas (íons). IONS colabora na pesquisa de ponta para as potencialidades e poderes da consciência, explorando fenômenos que não necessariamente se encaixam modelos científicos convencionais, mantendo um compromisso com o rigor científico. IONS é conhecida por seu patrocínio e participação em pesquisa e publicação de artigos em revistas científicas originais. Eles cobrem tudo, desde a consciência e cura até a transformação cosmovisão das capacidades humanas estendidas. Pesquise e informe-se mais sobre o tema.
“A mente que se abre a uma nova ideia jamais voltará ao seu tamanho original.”
Retirado do site: http://www.resilienciamag.com/fisicos-ciencia/

quarta-feira, 20 de julho de 2016

Nova Espiritualidade



Já ando há alguns (largos) anos, numa busca,  numa procura espiritual. O caminho espiritual não é uma coisa que se encontra ali ao virar da esquina. O caminho espiritual faz-se caminhando, ao nosso ritmo e muitas vezes as respostas que procuramos não são claras, nem vêm logo como que por magia. São precisos anos para nos darmos conta que as respostas estão precisamente dentro de nós. Vai uma grande distância entre a teoria, entre o conhecimento empírico e a prática,  das vivências, das experiências espirituais.  

No passado andei em escolas, segui alguns gurus, viajei, li alguns livros, as experiências que tive foram boas, mas ainda faltava algo, sentia que ainda não tinha feito a experiência de Deus na sua plenitude, de me sentir parte integrante do Todo. Caí como muitos na fascinação intelectual que o conhecimento esotérico proporciona. Deixei-me levar por algumas "verdades" de certos gurus, sem me preocupar em procurar a minha própria verdade, o meu próprio caminho. Não quer dizer que o que eles diziam estaria errado, mas ainda não tinha feito a minha própria experiência do Todo, de Deus.

Não sei precisar desde quando, mas há quem diga que foi a partir do ano de 2012, que começou a surgir gradualmente por todo planeta, uma nova espiritualidade. É um movimento espontâneo que precisamente, não tem gurus, escolas, igrejas, credos ou religião. Ou seja, este movimento está acima de qualquer credo e é como já disse espontâneo. Este movimento, não tem um nome específico, não tem um líder. As pessoas reúnem-se e falam das suas experiências espirituais. Tem por base obviamente as religiões e o melhor que elas nos têm para dar.

Num passado longínquo foi necessário que de vez em quando, seres especiais viessem à terra para tentar dar um rumo, ensinar aos humanos os valores da espiritualidade, da fé e do Amor. Dou os exemplos de Jesus, Maomé, Krishna, Buda e tantos outros... assim,  surgiram as religiões.

Acontece que a mensagem transmitida por esses mestres, foi muitas vezes mal interpretada por homens com interesses egoicos e ainda hoje o é. As religiões originais   sofreram demasiadas divisões feitas ao sabor das interpretações dos respetivos livros sagrados. Quem diz realmente a verdade? Onde é que ela habita? Numa religião? Ou no nosso coração?  A ideia de um despertar coletivo de que muitos autores falam é já uma realidade. Milhares de pessoas crentes ou não, estão aos poucos a despertar para uma realidade que até então não se tinham apercebido. Ou porque se dão conta que a vida vazia e cheia de stress não as leva a lado nenhum, ou porque lhes aconteceu algo de muito grave que as leva a repensar no que andam à fazer neste mundo,  ou porque, como no meu caso, várias coisas foram acontecendo durante as suas vidas, experiências, sinais, mensagens que levaram a indicar que o caminho era precisamente por aí. Despoleta-se assim um clique, como se fosse tudo claro como água! E  então dizemos: -como é que não vi isto antes?


Obviamente que a meditação e a oração são muito importantes. Eu levei algum tempo a  perceber isso. Mas a partir do momento em que passei a meditar com mais frequência, entendi muita coisa e obtive respostas a muitas questões espirituais. O processo de Despertar não é nada de especial e varia de pessoa para pessoa. O Despertar é tão só e apenas uma tomada de consciência de si mesmo, ter consciência que fazemos parte de um Todo, que a vida é um processo contínuo, feito de aprendizagens constantes a cada vez que viemos à terra. Muitas pessoas se estão a dar conta desta realidade. O clic pode ser uma frase, um livro, uma experiência mística, uma experiência traumática, ou outra coisa que saia da normalidade do dia a dia. Tudo faz parte de um processo, as vezes lento,  outras vezes mais rápido. Quando nos apercebermos que fazemos parte de um todo, que somos peças da engrenagem do Universo, que Deus não é uma entidade fora de nós, mas parte de nós, somos unos com Ele. Quando fazemos silêncio no nosso coração, Ele manifesta-se dando-nos paz. Aí sim estamos um pouco mais despertos.

P.Pascoal

terça-feira, 15 de setembro de 2015

Uma nova espiritualidade

Mais um belo texto de um dos meus autores preferidos, que vai precisamente ao encontro da minha forma de pensar sobre a espiritualidade :

"Em parte devido aos ensinamentos espirituais que surgiram fora do âmbito das religiões oficiais, mas também devido a um afluxo de antigos conhecimentos e ensinamentos orientais, há um número crescente de seguidores das religiões tradicionais capazes de se libertar da identificação com a forma, do dogma e dos rígidos sistemas de crenças, e de descobrir a essência original escondida no âmago da sua tradição religiosa, ao mesmo tempo que descobrem a sua própria essência. Compreendem que a nossa «espiritualidade» nada tem a ver com aquilo que acreditamos, mas sim com o nosso estado de consciência. Por sua vez, isto determina o modo como agem no mundo e como interagem com os outros.

As pessoas que não são capazes de ver para lá da forma tornam-se ainda mais firmes nas suas crenças, ou seja, na sua mente. Neste momento, estamos a assistir não só a um afluxo de consciência sem precedentes, como também a uma firmeza e intensificação do ego. Algumas instituições religiosas estarão abertas à nova consciência, outras irão reforçar as suas posições doutrinais e integrar-se em todas as outras estruturas artificiais, através das quais o ego coletivo vai tentar defender-se e «ripostar». Algumas igrejas e fações, bem como alguns cultos e movimentos religiosos, são basicamente entidades coletivas egóicas, tão rigidamente identificadas com as suas posições mentais como os seguidores de uma ideologia política fechada a qualquer interpretação alternativa da realidade.


Mas o ego está destinado a perecer, e todas as suas estruturas ossificadas, sejam instituições religiosas ou outras, como empresas ou governos, irão desintegrar-se a partir do seu núcleo, independentemente do quão enraizadas aparentam estar. As estruturas mais rígidas, as mais difíceis de mudar, serão as primeiras a sucumbir."


Eckhart Tolle (Um Novo Mundo, pág. 22)

sexta-feira, 14 de agosto de 2015

Perdão





Perdão


"Não existe família perfeita. Não temos pais perfeitos, não somos perfeitos, não nos casamos com uma pessoa perfeita nem temos filhos perfeitos. Temos queixas uns dos outros. Decepcionamos uns aos outros. Por isso, não há casamento saudável nem família saudável sem o exercício do perdão. O perdão é vital para nossa saúde emocional e sobrevivência espiritual. Sem perdão a família se torna uma arena de conflitos e um reduto de mágoas.
Sem perdão a família adoece. O perdão é a assepsia da alma, a faxina da mente e a alforria do coração. Quem não perdoa não tem paz na alma nem comunhão com Deus. A mágoa é um veneno que intoxica e mata. Guardar mágoa no coração é um gesto autodestrutivo. É autofagia. Quem não perdoa adoece física, emocional e espiritualmente.
É por isso que a família precisa ser lugar de vida e não de morte; território de cura e não de adoecimento; palco de perdão e não de culpa. O perdão traz alegria onde a mágoa produziu tristeza; cura, onde a mágoa causou doença."


Papa Francisco